LUZIANIA

Luziânia

Histórico

Deve-se ao paulista Antônio Bueno de Azevedo a primeira penetração no território que constitui hoje o município de Luziânia.

Antônio Bueno, em fins de 1746, acompanhado de amigos e inúmeros escravos, partiu da localidade de Paracatu (Paracatu/MG) rumo ao noroeste, até alcançar as margens de um rio a que denominou São Bartolomeu, em homenagem ao santo do dia. Ali construiu roças e alguns ranchos.

Três meses mais tarde, isto é, em 11 de dezembro daquele ano, seguiu viagem, rumo oeste, fixando residência no local a que denominou Santa Luzia (13 de dezembro de 1746). A fundação do povoado se prende à mineração de ouro, metal existente na região. Tão intensa foi a mineração, que o arraial recém-fundado contava, em pouco tempo, com uma população de dez mil pessoas, inclusive escravos.

Em 25 de março de 1747, tendo como oficiante o Padre Luiz da Gama Mendonça, celebrou-se a primeira missa a que assistiram mais de 6000 pessoas. Em 1749 Santa Luzia foi elevada à categoria de Julgado. Por Alvará, em 1756, foi erigida a freguesia de natureza coletiva. Em 1758, Santa Luzia foi elevada à categoria de Comarca Eclesiástica, sendo nomeado Vigário o Padre Domingos Ramos. Em abril de 1758, a fim de que fossem melhor exploradas as minas denominadas Cruzeiro, iniciou-se a construção do célebre Rêgo Saia Velha, de 42 km de extensão, feito por milhares de escravos; a sua construção durou dois anos ininterruptos. Por ocasião de sua inauguração, registrou-se grande motim no arraial, culminando com a prisão, por ordem do juiz local, de pessoas de grande importância, inclusive do mestre de construção da obra.

Em 12 de maio de 1771 falecia o fundador de Santa Luzia, Antônio Bueno de Azevedo.

Em fins de 1700 a mineração começou a declinar; assim, muitas famílias foram abandonando o arraial e se fixaram na zona rural, passando a dedicar-se à lavoura e à criação de gado.

O arraial foi elevado à vila em 1833, tendo sido instalado solenemente no ano seguinte. Em 1867 a vila passou à categoria de cidade. Por força do Decreto-lei estadual nº 8.305, de 31 de dezembro de 1943, Santa Luzia passou a denominar-se Luziânia.

Gentílico: luzianiense

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Santa Luzia, por Alvará de 21-09-1759.

Elevado à categoria de vila com a denominação de Santa Luzia, por Resolução do Conselho do Governo, de 01-04-1834. Instalado em 07-04-1834.

Elevado à condição de cidade e sede do município com a denominação de Santa Luzia, pela Lei Provincial nº 393, de 05-10-1867.

Pela Lei Municipal nº 15, de 2-10-1901, é criado o distrito de São Sebastião dos Cristais e anexado ao município de Santa Luzia.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído de 2 distritos: Santa Luzia e São Sebastião dos Cristais.

Pela Lei Estadual nº 533, de 18-07-1916, é desmembrado do município de Santa Luzia, o distrito de São Sebastião dos Cristais, elevado à categoria de município com a denominação de Cristalina.

Pelo Decreto Municipal nº 79, de 01-07-1932, é criado o distrito de Brasilândia e anexado ao município de Santa Luzia.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município é constituído de 2 distritos: Santa Luzia e Brasilândia.

Pelo Decreto-lei Estadual nº 1.233, de 31-10-1938, o distrito de Brasilândia foi extinto, sendo seu território anexado ao distrito sede de Santa Luzia.

Pelo Decreto-lei Estadual nº 8.305, de 31-12-1943, o município de Santa Luzia passou a denominar-se Luziânia. (mudança de sede).

Em divisão territorial datada em 1-VII-1950, o município é constituído do distrito sede.

Pela Lei Municipal nº 132, de 06-03-1958. É criado o distrito de Padre Bernardo ex-povoado e anexado ao município de Luziânia.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 2 distritos: Luziânia e Padre Bernardo.

Pela Lei Estadual nº 4.797, de 07-12-1963, é desmembrado do município de Luziânia o distrito de Padre Bernardo, elevado à categoria de município.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído do distrito sede.

Pela Lei Municipal nº 493, de 20-01-1964, é criado o distrito de Santo Antônio do Descoberto e anexado ao município de Luziânia.

Em divisão territorial datada de 1-I-1979, o município é constituído de 2 distritos: Luziânia e Santo Antônio do Descoberto.

Pela Lei Estadual nº 9167, de 14-05-1982, é desmembrado do município de Luziânia o distrito de Santo Antônio do Descoberto, elevado à categoria de município.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1983 o município é constituído do distrito sede.

Pela Resolução nº 267, de 06-09-1985, é criado o distrito de Cidade Ocidental e anexado ao município de Luziânia.

Em divisão territorial datada de 1988, o município é constituído de 2 distritos: Luziânia e Cidade Ocidental.

Pela Lei Estadual 11403, de 06-01-1991, é desmembrado do município de Luziânia o distrito de Cidade Ocidental, elevado à categoria de município.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2014.

Síntese das Informações

Área da unidade territorial – 2015 3.961,099 km²
Estabelecimentos de Saúde SUS 31 estabelecimentos
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal – 2010 (IDHM 2010) 0,701  
Matrícula – Ensino fundamental – 2015 31.653 matrículas
Matrícula – Ensino médio – 2015 7.997 matrículas
Número de unidades locais 3.420 unidades
Pessoal ocupado total 25.408 pessoas
PIB per capita a preços correntes – 2013 16.677,30 reais
População residente 174.531 pessoas
População residente – Homens 87.087 pessoas
População residente – Mulheres 87.444 pessoas
População residente alfabetizada 143.583 pessoas
População residente que frequentava creche ou escola 56.035 pessoas
População residente, religião católica apostólica romana 106.219 pessoas
População residente, religião espírita 2.425 pessoas
População residente, religião evangélicas 48.839 pessoas
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes – Rural 411,67 reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes – Urbana 423,33 reais
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio – Rural 1.594,77 reais
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio – Urbana 2.060,59 reais

Fonte: IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Informações atualizadas em setembro/2016