Coleta seletiva absorve 7,24% do lixo reciclável de Piracicaba, diz relatório

By 23 de novembro de 2016Destaque, Notícias Nacionais
carrinho

Em 2012, carro elétrico foi adquirido para atuar na coleta seletiva em Piracicaba (Foto: Divulgação/Ambiental)

Município recolhe 3 mil toneladas reaproveitáveis, segundo indicador.
Total de material que pode ser reutilizado é cerca de 42 mil toneladas.

Menos de 10% do lixo que poderia ser reciclado em Piracicaba (SP) é coletado de forma seletiva no município, segundo estudo “Indicadores de Resíduos”, divulgado pela Prefeitura. Os índices de tratamento dos dejetos gerados na cidade começaram a ser publicados pela Secretaria de Defesa do Meio Ambiente (Sedema) na última sexta-feira (18). Os dados serão atualizados com números anuais no site da pasta.

De acordo com o primeiro relatório divulgado, ainda com dados do ano passado, a coleta seletiva de Piracicaba captou 3.036 toneladas de materiais recicláveis em 2015. O total de resíduos potencialmente recicláveis no município ao ano é de aproximadamente 41,9 mil toneladas, conforme o projeto Indicadores.

lixo_2A quantidade total de lixo recolhido na cidade no mesmo período foi de 116.491 toneladas, de acordo com o cruzamento de dados da Sedema e do Instituto de Pesquisas e Planejamento de Piracicaba (Ipplap). O estudo indica que o município reciclou apenas 2,61% de toda coleta realizada em 2015.

Segundo a Prefeitura, os Indicadores de Resíduos poderão ajudar na melhoria dos índices, já que permitirão o monitoramento dos números e os avanços registrados pela administração no setor. “Trata-se de um instrumento necessário tanto para os gestores e técnicos, quanto para os cidadãos, organizações da sociedade civil e conselho de meio ambiente”, diz a técnica da Sedema Celise Romanini.

O projeto reúne 26 indicadores sobre a geração e o manejo do lixo na cidade. Os dados foram debatidos e compilados pela Comissão de Acompanhamento do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PMGIRS), informou o governo municipal.

Fonte: G1