Kalil diz que vai criar escola de reciclagem

By 18 de outubro de 2016Notícias Nacionais
kallil

Alexandre Kalil visitou cooperativa de reciclagem em BH

Candidato considera resíduos sólidos e moradores de rua os problemas mais complexos de BH

LUCAS RAGAZZI

O empresário Alexandre Kalil (PHS) visitou, nesta segunda-feira, uma cooperativa de reciclagem de lixo, na região Leste de Belo Horizonte, cujo trabalho tem vínculo com a Prefeitura até o final de novembro. Para o candidato, o tema é um dos principais problemas da capital e não pode ser tratado com “demagogia”. Ele ainda afirmou que pretende criar uma escola de reciclagem para o estudo dos resíduos sólidos na capital.

“Essa cooperativa aqui é um projeto experimental, que tem ajuda da Prefeitura, e faz a separação dos resíduos. Um projeto-piloto que o contrato acaba em novembro, mas que é um caminho sem volta. Esse tipo de tratamento precisa ser ampliado. Cabe a todos, aos gestores, conversar com esse pessoal pra saber como incrementar. É um trabalho manual, uma coisa a ser estudada”, disse o empresário, que explicou a ideia da criação da escola de reciclagem.

“Precisamos aprender a lidar com esse tipo de rejeito. Isso passa por mais tecnologia na área, com esteiras, seleção automatizada, soluções que já existem”. Segundo ele, os resíduos sólidos são, ao lado dos moradores de rua, os problemas mais complicados da capital, já que “não são fáceis de resolver e não podem ser tratados com demagogia”.

Kalil afirmou ainda que é preciso repensar a maneira como a coleta seletiva é realizada em Belo Horizonte, já que, mesmo com os moradores separando os lixos em categorias, os caminhões acabam, ao coletar, “misturando tudo”. “Não adianta fazer coleta seletiva e a própria empresa misturar tudo de novo. Separam o lixo, aí recolhem e misturam tudo de novo pra depois vir pra cooperativa e terem que separar novamente”.

Justiça eleitoral

A equipe jurídica da campanha de Alexandre Kalil avaliou que poderia ser feita uma ação contra o candidato rival, João Leite (PSDB), por conta da propaganda eleitoral gratuita do tucano veiculada na noite da última sexta-feira. Por não contar com legenda e tradutora de libras, a inserção estaria ferindo a legislação eleitoral. Além disso, o “ataque direto” ao empresário também seria base para o processo. Apesar da avaliação, o próprio candidato optou por não entrar na Justiça.

No vídeo produzido pela campanha tucana, é exibida a imagem de Kalil defendendo o prefeito Marcio Lacerda (PSB) e afirmando que o pessebista foi “eleito o melhor prefeito do país” durante a campanha de reeleição em 2012. No domingo, o empresário disse já ter esclarecido a questão durante o primeiro debate realizado entre os candidatos. “Eu já falei disso. Não sou mentiroso. Realmente apoiei ele em 2012, nunca neguei. Mas o que contei, e até agora não desmentiram, é que só apoiei porque os senadores Antonio Anastasia (PSDB) e Aécio Neves (PSDB) me pediram, de joelhos, para usar o meu prestígio para salvar a campanha do Lacerda, que, naquela época, estava naufragando”, argumentou.

Fonte: O Tempo